Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Seguros
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Quarteto de elite preparado para a dificuldade do Mundial
Equipa Portugal
A Equipa Portugal de elite cumpriu hoje o segundo dia de treino de conjunto na Áustria, reconhecendo, mais uma vez, o circuito final da prova de fundo do Campeonato Mundial de Estrada, que vai realizar-se neste domingo, entre Kufstein e Innsbruck.

Nelson Oliveira, Rúben Guerreiro, Riui Costa e Tiago Machado saíram à estrada, seguidos pelo selecionador nacional, José Poeira, para avaliar aqueles que, teoricamente, serão os pontos decisivos da corrida, de modo a finalizar todos os detalhes, técnicos e até mecânicos para que Portugal possa lutar pelo terceiro top 10 da história em provas de fundo de elite do Campeonato do Mundo.

Amanhã, os corredores irão encontrar uma longa e dura prova, 252,9 quilómetros entre Kufstein e Innsbruck, com partida às 8h40 (hora portuguesa). O início é semelhante às provas de fundo de sub-23 e juniores, esperando-se uma primeira seleção de valores para os 5 quilómetros da subida de Gnadenwald, ainda antes da entrada no circuito olímpico, o que acontecerá quando estiverem percorridos 90 quilómetros.

Já dentro de Innsbruck, a subida de 7,9 quilómetros (5,7 por cento de inclinação média) até Patscherkofel será feita sete vezes. Na última volta, após aquela dificuldade, os corredores vão subir para Gramartboden, um "muro" com 2,8 quilómetros de extensão e 11,5 por cento de inclinação média e rampas que chegam aos 28 por cento de pendente. Do topo até à chegada são 8,5 quilómetros, maioritariamente em descida e com curvas perigosas.

A longa distância, um acumulado de subida de 4670 metros e a extrema dureza da escalada mais próxima da meta são ingredientes que devem impedir Peter Sagan de vencer o quarto Mundial consecutivo. Homens mais talhados para a montanha e para as provas por etapas terão na Áustria a oportunidade de ouro para vestir a camisola arco-íris. Os portugueses querem estar no lote restrito daqueles que podem bater-se pelas posições cimeiras.

“A corrida vai ser muito dura. A subida mais longa, que será passada sete vezes, tem caraterísticas diferentes da subida curta e muito inclinada do final. Entre uma e outra há uma descida que pode ser aproveitada para alguns corredores tentarem surpreender adversários mais talhados para as últimas rampas. Será necessário uma grande concentração e a escolha adequada de andamentos, além, naturalmente, da capacidade física para discutir um dos mundiais mais difíceis de sempre. Acredito na nossa equipa, composta por quatro corredores com provas dadas, o que nos permite pensar numa classificação no top 10”, afiança José Poeira.

Tiago Machado também destaca a qualidade do coletivo nacional. “Somos quatro bons corredores, por isso estamos a representar o nosso país. Este é dos mundiais mais adequados para as nossas caraterísticas. Resta saber, durante a prova, qual o nosso real estado de forma. Pessoalmente, acho que recuperei bem da Vuelta e gostava de ser útil à estratégia da equipa”, afirma o famalicense.

Rúben Guerreiro deu boas indicações nas provas das últimas semanas e está confiante para Innsbruck. “Espero fazer um bom mundial, num percurso duro que se enquadra nas minhas caraterísticas. Quero corresponder às expectativas da Seleção e estar com os mais fortes. Nas últimas provas consegui bons resultados e acredito que poderei confirmar a boa forma nesta prova. Tentarei não ter falhas e manter a condição física toda a prova”, promete o corredor.

Depois do quinto lugar no contrarrelógio, Nelson Oliveira está galvanizado para a prova de fundo. “Embora queiramos sempre mais e as duas provas serem totalmente diferentes, ter estado bem no contrarrelógio motivo para as dificuldades da corrida de fundo. Estes devem ser dos mundiais mais duros de sempre, mas acredito que tudo correrá bem para a nossa Seleção”, diz o bairradino.

Rui Costa, que rubricou os três melhores resultados lusos de sempre na prova de fundo – vitória em 2013, nono lugar em 2015 e 11.º em 2012 – preparou com afinco a corrida deste domingo e, apesar das dificuldades, vai estar atento a uma oportunidade de brilhar.

“Fiz tudo o que estava ao meu alcance para preparar esta corrida. O facto de não ter corrida muito pode ser uma desvantagem, mas acredito que me encontro bem. Não sei como estarão os adversários, mas espero estar com os melhores. A subida mais longa é muito difícil na segunda metade. A última subida é qualquer coisa de brutal. Vai ser muito complicada, de tal maneira que optei por usar um andamento de 36 x 32. Vai ser complicado chegar ali com sete horas de corrida e dar o máximo. Não é uma escalada que me seja favorável, pelo que, ao longo da prova, terei de estudar uma tática que me favoreça. Este vai ser um Mundial que se decide ao longo das voltas. Vai ser o culminar de estar bem, passar as dificuldades, sofrer e tentar ter uma pontinha de sorte na parte final”, explica Rui Costa.

2018-09-29 - 12:12:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
Ciclismo Vai Escola
Assembleia Geral
Documentos Novembro 2018
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais