Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Um olho na Corrida da Paz e outro no Tour do Futuro
Equipa Portugal
A Equipa Portugal vai disputar a Corrida da Paz, prova checa da Taça das Nações de Sub-23, entre quinta-feira e domingo. A luta por um bom resultado tem em vista um “brinde”: a qualificação direta para a Volta a França do Futuro.

Portugal chega à Corrida da Paz no 15.º lugar do ranking da Taça das Nações, o último posto que assegura a presença na Volta a França do Futuro. Daí que o trabalho para brilhar na Corrida da Paz tenha um duplo significado: o resultado na prova checa e a aquisição de pontos que deixem Portugal a salvo de sobressaltos na qualificação para o Tour de l’Avenir.

O selecionador nacional, José Poeira, convocou seis corredores, num misto de ciclistas experientes na categoria de sub-23 com dois jovens que se estreiam nesta categoria etária. Os caçulas da convocatória são Afonso Silva (Rádio Popular-Boavista) e Guilherme Mota (UD Oliveirense-InOutBuild). Formarão equipa com Francisco Campos e Jorge Magalhães (W52-FC Porto), Gonçalo Carvalho (Monaco) e João Almeida (Hagens Berman Axeon), que é o corredor apontado à luta pela classificação geral, num percurso montanhoso que encaixa bem nas caraterísticas do caldense.

A Corrida da Paz mantém a estrutura dos últimos anos, iniciando-se com um curto prólogo de 2 quilómetros, em Krnov, que deixa boas recordações aos portugueses, uma vez que Ivo Oliveira foi o vencedor deste exercício em 2017 e conseguiu o segundo lugar em 2018.

A primeira etapa em linha, sempre perigosa por ser palco de ataques potencialmente surpreendentes para os homens da geral, terá 134,2 quilómetros, ligando Jeseník a Rýmařov. É a menos montanhosa das etapas em linha, mas, ainda assim, irá decorrer em terreno rompe-pernas.

As duas tiradas finais terminam em alto. A segunda etapa tem 148,5 quilómetros, entre Krnov e Dlouhé stráně, incorporando quatro prémios de montanha, dois de elevada dificuldade, um dos quais coincidente com a meta.

A derradeira etapa, 171 quilómetros com partida e chegada em Jeseník, promete ser demolidora. A subida para a meta é antecedida por outros seis prémios de montanha que ajudarão a encontrar o sucessor de Tadej Pogačar, primeiro classificado em 2018.

“Acredito na qualidade desta equipa para discutir etapas e a classificação geral. No prólogo será mais difícil pontuar, mas na primeira etapa em linha temos condições para bater-nos num eventual sprint. Nas restantes etapas vão brilhar os corredores que estiverem na discussão da geral e nós temos ambição de o fazer”, adianta José Poeira.
2019-06-03 - 15:15:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais