Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Trabalho de equipa para chegar aos dez primeiros
Equipa Portugal
A Equipa Portugal compete, neste domingo, na prova de fundo para elite do Campeonato Mundial de Estrada. Será uma longa corrida, 280 quilómetros entre Leeds e Harrogate, na qual é necessário espírito de união para alcançar o top 10, objetivo traçado pelo selecionador nacional, José Poeira.

As temperaturas baixas, o vento moderado a forte e a chuva são ingredientes que vão tornar ainda mais duro um percurso já de se muito exigente, marcado pelas estradas estreitas, viragens perigosas e alguns topos que vão partir o pelotão.

“Nem sempre as corridas se ganham na chegada. Às vezes, os momentos cruciais estão muito antes e se não estamos no sítio certo na hora certa perdemos a corrida muito longe da meta. É o caso da corrida deste domingo”, antecipa José Poeira.

O selecionador nacional refere-se, sobretudo, a um troço de 100 quilómetros de prova, que se inicia quando estiverem percorridos cerca de 60. Nesse setor da corrida o numeroso pelotão vai atravessar estradas muito estreitas, que exigem técnica, e um permanente sobe e desce que fará mossa.

É nesta altura da prova que estão colocadas as três subidas mais duras que antecedem as sete voltas ao circuito urbano de Harrogate. Ao quilómetro 64 ultrapassa-se a escalada de Cray, 4 quilómetros com inclinação média de 4,3 e máxima de 9,1 por cento. Ao quilómetro 100 é a vez de Buttertubs, 5 quilómetros com média de 5,2 e rampas que chegam aos 11,6 por cento. Ao quilómetro 125,6 é a vez de Grinton Moor, 4,4 quilómetros com inclinação média de 5,3 e máxima de 8,8 por cento.

“A boa colocação vai ser a chave. Será necessário um bom trabalho de equipa para podermos passar esta fase sem contratempos. À semelhança das corrida de sub-23 e de elite feminina, estou convencido de que o pelotão vai partir-se antes do circuito e será necessário estar na frente para podermos cumprir o objetivo a que nos propomos, terminar mais uma vez entre os dez melhores do mundo”, salienta Poeira.

Rúben Guerreiro, chegado de uma Vuelta de grande qualidade, sente-se recuperado e está disponível para trocar metas pessoais pelas coletivas. “Recuperei bem da Vuelta e as sensações continuam boas. Não penso em objetivos pessoais, penso pelas ideias do selecionador e estou aqui para cumprir as indicações, porque quero ajudar a equipa a conseguir um bom resultado para Portugal. Vai ser uma prova de concentração máxima, na qual teremos de nos colocar sempre nos 50 primeiros, no máximo”, vaticina o natural de Pegões.

José Gonçalves também se coloca à disposição do coletivo. “É uma prova muito longa. Tudo farei para apoiar os meus companheiros. Considero que faço uma boa corrida se conseguir ajudar algum dos meus colegas a ter um bom resultado”, afirma o barcelense.

Depois de brilhar no contrarrelógio, Nelson Oliveira já está focado na prova de fundo, que adivinha muito difícil. “Vai ser uma corrida muito longa e dura, principalmente porque se prevê chuva e vento forte. Será uma prova de eliminação, até porque é natural que haja muitas quedas e isso será um fator de relevo. Antes de entrar no circuito, com o sobe e desce e as condições meteorológicas esperadas, haverá, certamente, uma grande seleção”, diz o bairradino.

Rui Oliveira é o benjamim da equipa, estreando-se em Mundiais de elite, depois de, no mês passado, ter conseguido um excelente desempenho no Campeonato da Europa. “É sempre um orgulho poder representar a Seleção Nacional logo no primeiro ano de elite. Sabe bem perceber que o trabalho que tenho vindo a fazer está a ser recompensado. Quero desfrutar ao máximo. Uma boa estreia seria acabar, mas antes disso interessa ajudar os colegas com mais capacidade para lutar pelas primeiras posições”, confessa o gaiense.

Rui Costa, campeão mundial em 2013, trabalhou para fazer um bom resultado em Yorkshire. “O trabalho e os treinos foram feitos com dedicação para chegar aqui na melhor condição possível. As sensações têm sido boas, mas o importante é como me sentirei na corrida”, resume o corredor.

O percurso e as condições meteorológicas terão uma influência decisiva no desfecho da corrida, no entender do poveiro, que está preparado para usar um dos seus melhores trunfos, a capacidade de leitura de corrida. “Tudo indica que será um dia muito complicado, com previsões de mau tempo e com um percurso muito longo. Tudo indica que será uma prova com mais de sete horas e meia. Será uma corrida de pura eliminação. O importante é estar mesmo num dia bom e estar muito atento para ler a corrida da melhor forma. Há seleções que querem impedir uma chegada em grupo, mas há outras que pretendem uma chegada ao sprint. A cada momento é preciso tomar as melhores opções em função da maneira como a prova se desenrola e de como as equipas se movimentam”, explica Rui Costa.

A corrida arranca às 8h40 e pode ser vista em direto na Eurosport 1.
2019-09-28 - 15:15:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
Assembleia Geral
Documentos 2 novembro 2019
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais